Category: Mídia Exterior


Na cidade de São Domingos (Maranhão) o Grupo de defesa aos direitos LBGT local foi surpreendido com a queima de outdoor que haviam anunciado em Comemoração ao Dia Internacional de Combate a homofobia.

lbgt-maranhao

Matéria completa em: http://www.radiopowerstrike.com/portal/outdoor-com-imagem-de-combate-a-homofobia-e-queimado-em-sao-domingos-do-maranhao/

Muiiiito bom, mais uma indicação de Fábio Nader (sócio é pra essas coisas):

Uma grande TV foi montada em uma parada de ônibus, e o Photoshop Artist Erik Johansson ficou dentro de uma van com todo o equipamento necessário para retocar e modificar as fotos de quem estivesse esperando o ônibus. Veja o vídeo:

Veja:

Fonte:http://comunicadores.info/2013/06/10/pessoas-sao-photoshopadas-ao-vivo-em-parada-de-onibus/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+comunicadores+%28Comunicadores%29&utm_content=FaceBook

 

Segundo dados da EMBRATUR, um dos destinos turísticos no exterior mais procurado por turistas brasileiros é a capital portenha Buenos Aires. Dependendo de onde se resida no Brasil, visitar a cidade é mais barato e prático que muitos outros importantes destinos nacionais.

Para quem deseja conhecer a rica cultura argentina não faltam opções: são diversos museus e centros culturais, cafés, restaurantes, apresentações de tango etc. A cidade possui ainda locais emblemáticos como a região do Obelisco. Sem dúvida esta é uma das regiões com maior fluxo de pedestres e veículos do país, e, como não poderia ser diferente, os anseios públicos e privados prezam a existência de diferenciais na região para chamar a atenção dos turistas. Um exemplo desses diferenciais é a instalação de palco para shows variados aos finais de semana, outro, é a existência de grande quantidade de painéis publicitários na região, em especial as pantallas electronicas. A empresa Atacama possui dois painéis desse tipo em frente ao Obelisco, um de 90 m² e outro de 60 m², ambas no lado ímpar da avenida. Do mesmo lado da rua existe um painel com cerca de 66 m² que transmite publicidade e informações sobre o mercado financeiro. Além destes três painéis, em junho de 2010 a Coca-Cola argentina instalou na face de quase todo o prédio da Av. Carlos Pellegrini com a Diagonal Norte uma “televisão gigante” com aproximadamente 570 m² divididos em duas faces (uma de 21 x 21 m e outra de 6 x 21 m). Segundo informações dos jornais locais, o governo local não só autorizou a instalação como classificou a iniciativa como primeiro passo para criar na região uma espécie de “Times Square Sul-americana”. O investimento da Coca-Cola foi de aproximadamente US$ 7 milhões.

Contudo, por conta de denúncia de deputados que alegaram que a grande luminosidade do painel ocasionaria riscos na segurança viária e que o corpo de bombeiros havia verificado problemas de segurança o painel foi desligado dias após sua inauguração.

Durante os anos de 2011 e 2012 um imbróglio processual se seguiu. Após grande disputa, o painel da Coca-Cola foi ligado em junho de 2012 e o que vemos a partir do Hotel Republica é um verdadeiro show de cores e imagens.

Segundo depoimento de um dos mais antigos empresários de mídia exterior, Valentim Germano Sola, São Paulo também teve sua “Times Square” no Vale do Anhangabaú, sobretudo nos anos 50 e 60: “Você ia lá a noite para passear, para ver a publicidade”. Essa região, que é ícone no processo de verticalização da cidade, apresentava grande quantidade de painéis em neon nos topos dos prédios.

Como se percebe, o ideário do “Times Square” é coisa antiga: Transmite a sensação de qualificação e curiosidade.  Ao mesmo tempo vale ressaltar que a mídia exterior gera sentimentos e simbologias, daí decorre a responsabilidade de se imprimir na paisagem elementos que colaborem com a estética, história e cultura dos lugares.

"Times Square Paulistana"

“Times Square Paulistana” anos 50 – Vale do Anhangabaú

Sérgio Rizo, sócio da RS Projetos é geógrafo, Mestre em Ciências para integração da América Latina (USP) e professor universitário. Escreveu o livro “A mídia exterior na cidade de São Paulo” (Necrópolis, 2008).

Fonte: Secovi

Secovi-SP recebeu do Ministério Público do Trabalho da 2ª Região/SP a Notificação Recomendatória nº 120995/2012, nos seguintes termos:

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, diante dos preceitos legais supra referidos e com intuito de assegurar o cumprimento ao princípio da proteção integral que resguarde os direitos da criança e do adolescente, agasalhado pelo Texto Constitucional,RECOMENDA ao Senhor PRESIDENTE DO SECOVI, para que informe as empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais e comerciais de São Paulo representadas pelo sindicato mencionado, acerca dos malefícios do trabalho desempenhado aos adolescentes, bem como da proibição legal ao emprego de CRIANÇAS E ADOLESCENTES para a distribuição de material jornalístico ou publicitário nas ruas, para promover lançamentos imobiliários, seja través de contratação direta ou indireta dos mesmos, inclusive dentro dos empreendimentos imobiliários, com o intuito de coibir a utilização de crianças ou adolescentes para fins  de atividades exploratórias, PREPONDERANTEMENTE portando placa  indicativa da localidade do prédio objeto do negócio a céu aberto” 

Assim, o Sindicato da Habitação de São Paulo, norteado por seu permanente posicionamento pelalegalidade, alerta as empresas quanto ao cumprimento dos preceitos legais vigentes que  proíbem a contratação de trabalho infantil.

Leia a íntegra da Notificação Recomendatória nº 120995/2012.

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Aparecimento da mídia exterior esta ligada ao modelo de desenvolvimento de cada cidade

Painéis publicitários presentes na região do Obelisco - Buenos Aires / Argentina

Em dissertação a ser apresentada esta semana através do Programa de Integração da América Latina da Universidade de São Paulo (USP), o pesquisador Sérgio Rizo lança o olhar para as diferentes formas de apresentação da mídia exterior em duas cidades que têm como característica primordial a centralização do potencial econômico de seus países – Brasil e Argentina. Desta observação surgem ligações entre o modelo de crescimento adotado em cada metrópole e os tipos de mídia exterior. Em São Paulo, os tipos de painéis vão se adaptando ao desenho urbano da cidade que passou por repetidos momentos de renovação urbana, em que se coloca “tudo abaixo” para sobreposição de “novos” elementos. Assim, a partir da década de 70, empresários paulistanos estabelecem padrões como o brasileiríssimo “outdoor”. Já na capital portenha, a preservação arquitetônica de prédios históricos coincide com a manutenção de antigas formas de publicidade que convivem até hoje com os mais modernos painéis luminosos e eletrônicos, criando no ambiente urbano uma colcha de retalhos de formas e estilos.

A partir do levantamento sistemático de matérias do jornal Folha de São Paulo e dos argentinos Clarín e La Nación, Rizo analisa problemas recorrentes ao tema da mídia exterior no cotidiano das duas cidades. Através da interpretação dos discursos apresentados nas publicações, o pesquisador organiza uma sequencia de eventos que demonstram possíveis jogos de interesse que justificam a existência ou não da mídia exterior nestas cidades.

Se hoje a mídia exterior relaciona-se muitas vezes com à ideia de poluição, em São Paulo ela já foi vista como sinônimo de modernidade e prosperidade. Em Buenos Aires, mesmo com a grande quantidade de publicidade, alguns atores locais alimentam o sonho iluminado de reproduzir a “Times Square” em terras Sul-americanas. Ainda no campo dos imaginários, há de se supor que a escolha do termo “Cidade Limpa” é bem estratégico, quem sabe uma modernização do jargão “varre, varre vassourinha” de Jânio Quadros. Quando se pensa em uma metrópole com a magnitude de São Paulo, indaga-se: qual cidadão iria ser contra uma “Cidade Limpa”? Simbologias à parte, este projeto transformou São Paulo na única metrópole do mundo sem mídia exterior.Essa excepcionalidade promove o desenvolvimento de um grande processo de licitação ao qual supõe-se que a municipalidade possa obter a maior receita já paga no mundo para fornecimento e gestão de mobiliário urbano.

O trabalho apresenta ainda o mapeamento e inventário fotográfico dos painéis publicitários mais representativos das avenidas Nove de Julho, em Buenos Aires, e Paulista, em São Paulo. Na capital paulista Rizo encontra novas formas de mídia exterior como alternativas às tipologias proibidas. Sejam marcas “patrocinadoras” em guaritas policiais e faixas de eventos, ou cartazes em bancas de jornal. “A pesquisa indica que empresas multinacionais do segmento de mobiliário urbano podem ter influenciado decisivamente para a eliminação da mídia exterior convencional de São Paulo, visando criar uma situação excepcional onde estes equipamentos se tornam o único meio de mídia no ambiente público”, explica.


Sobre o pesquisador: www.sergiorizo.com.br
Geógrafo formado pela USP e autor do livro “A mídia Exterior na Cidade de São Paulo”, editora Necrópolis (2009). Para ele, o principal ponto desta nova pesquisa é que “ao comparar a mídia existente em situações distintas percebemos que sua mera existência, fruto de impasses entre empresários e o poder público, não deixa de ser uma expressão da sociedade, servindo assim como objeto de interpretação do modo de vida de determinada população”.

Serviço

O que:
Defesa da dissertação “Estudo comparativo da mídia exterior em São Paulo e Buenos Aires” de Sérgio Ávila Rizo. Orientado por Dra. Margarida Maria Krohling Kunsch – Escola de Comunicações e Artes – ECA/PROLAM/USP

Quando: 18 de maio, às 10h

Local: PROLAM/USP – Rua do Anfiteatro, 181 – Colméia – Favo 1


Assessoria de Imprensa:

CB Comunicação

ceciliabacha@gmail.com

11 – 85487374 / 11 – 25794097

LSD + CARACÚ

Não sei se é real ou fake, mas certamente muito legal:

the beginning of something wonderful

Existiu um neón na Rua Mauá (região central de SP) nos anos 50 da Cerveja Caracú. Aparecia as letras da palavra piscando. Certa vez um funcionário da empresa insatisfeito por sua demissão sabotou essa painel, cortou os fios de energia das letras “C”,”A”,”R”,”A”, de modo que só ficaram piscando (hahahaha) as letras “C”,”U”… veja o depoimento do empresário Valentim Sola:

É muito interessante que é através da mídia exterior que os populares conseguem distribuir sua mensagem de indignação. Aqui no Mídia Geográfica temos muitos outros exemplos desse tipo de ação em tudo quanto é canto desse país…

Outdoor Nova Andradina

No último domingo (28) comerciantes e empresários de Nova Andradina, iniciaram um protesto por causa da onda de assaltos. Eles começaram a espalhar outdoors pela cidade denunciando o problema.

Fonte G1, veja a matéria completa:
http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/2011/08/onda-de-assaltos-faz-novas-vitimas-no-comercio-de-nova-andradina-ms.html

Foto extraída do G1 também, créditos Site Nova News

 

 

 

Um painel instalado em Nova York para a Jell-O Pudding (uma espécie de gelatina cremosa, pronta para comer) alinha-se à campanha nos outros meios ao demonstrar um rosto que muda de feição (alegre ou triste) em função da quantidade de smiley tweets 🙂 ou frowny tweets 😦 encontrados no twitter:

Olha a campanha de TV para entender melhor:

Página do medidor: http://www.jellopuddingface.com/

Fonte: http://migre.me/5qBST 

A mídia exterior em Hong Kong

Sem delongas, sem texto, minimalista e objetivo.
Extraído do Blog do Crespo: http://www.blogdocrespo.com.br/post/2011/08/01/A-midia-exterior-em-Hong-Kong.aspx 

É outro paradigma…Nossos conceitos de nada valem na caverna alheia…
%d blogueiros gostam disto: